24.3 C
Portel
23.6 C
Breves
25 C
Belém
sábado, 4 / dezembro / 2021

Manejo orientado pela Emater pode triplicar extrativismo de açaí em assentamento de Portel

Não costuma faltar açaí na mesa da família Brasil-Lobato, moradora do Projeto de Assentamento Agroextrativista (Paex) Alto Camarapi, na Gleba Alto Camapari, em Portel, no arquipélago do Marajó. Entretanto, o que Leandro, 37 anos, e Maria Inês, 46 anos, colhem nos cerca de quatro hectares de área nativa do Sítio LD, na margem direita do rio Camarapi, por ora é suficiente apenas para o consumo do casal e dos dois filhos dela e enteados dele: Elvis, 12 anos, e Ingrid, 10 anos.

“Ainda não conseguimos calcular nem quantos pés temos, é tudo nativo, e nem qual é a produtividade, porque agora que vamos começar a pensar como comercialização de verdade. Os próximos passos são organização da produção, medição”, explica Maria Inês Brasil, que também é professora do 1º Ciclo em uma escola pública tipicamente amazônica, sobre palafita, dentro de um igarapé.

“Aqui a gente tenta integrar os conhecimentos científico e popular. Meus filhos vão para a escola dos bancos e para a escola da floresta. Pegam no livro e pegam na peconha. Uma coisa não exclui e nem anula a outra, só melhora e aperfeiçoa. Somos extrativistas cada vez mais em busca de conhecimento e prontos para oferecer conhecimento”, detalha.

Capacitação

A propriedade da família é uma das bases de um projeto piloto de manejo do açaí executado pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) no assentamento estadual.

O objetivo é que, com capacitação e acompanhamento, estratégias como espaçamento adequado e seleção de espécies para exclusão e desbaste de touceiras resultem, já ano que vem, em aumento significativo de produtividade.

“Ano a ano, a expectativa é que tripliquemos ou mais os números atuais”, estima o chefe do escritório local da Emater em Portel, o técnico em agropecuária Jocimar Mendonça.

De acordo com Mendonça, o manejo é uma tecnologia bastante acessível para o agricultor familiar marajoara. “Os EPIs [equipamentos de proteção individuais], como facão e luvas, são comuns na dinâmica das propriedades e as informações integram difusão científica e conhecimento ancestral, fora o impacto no ecossistema acabar mínimo”, explica.

Teoria e Prática

Ao longo deste segundo semestre, com o apoio da Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas do Alto Camarapi (Atagrocamp), a Emater tem mobilizado e orientado pelo menos 60 famílias de duas comunidades da região, Aparecida e São Pedro.

Além de demonstrações técnicas sobre manejo em si, há esclarecimento e encaminhamento sobre crédito rural, sistemas agroflorestais, tratos culturais e mercados.

“É um ganho real para a agricultura. Aumentando a produção e qualificando o produto, temos chance de empreender com lucro e sustentabilidade, sem descolar das tradições”, aponta o gestor da Emater.

Texto: Aline Miranda/Ascom Emater

Deixe seu comentário:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias

error: O conteúdo está protegido!
× Fale conosco